Facebook

Arquivo Jurídico

sindicalizese

Minuta de responsabilidade civil

Médicos Hospitalares
Médicos de Família
Reclamação do pagamento aos médicos especialistas que exercem funções da categoria de assistente
Informação
Formulário Inrtutório

Descanso Compensatório. Trabalho Noturno. Trabalho ao Domingo, em Dia de Descanso Semanal e em Dia Feriado

Minuta para
descanso
compensatório

Minutas de requerimento das progressões remuneratórias obrigatórias

Medicina Geral 
e Familiar
Carreira 
Hospitalar
Parecer/FNAM 
n.º 1/2018

Ler mais...

Minutas para pedir a atribuição de incentivos
Médicos com CIT
Médicos com CTFP
Minutas para solicitar a regularização do pagamento do trabalho noturno
Médicos com CIT
Médicos com CTFP
Médicos sem especialidade, uma inevitabilidade?

Ontem realizou-se a Reunião Aberta de Médicos, promovida pelo Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) em colaboração com o movimento Médicos Indiferenciados, Não! (MiN!) e a Associação de Médicos pela Formação Especializada (AMPFE).

A situação de precariedade laboral descrita pelos colegas presentes revela as graves consequências da mais recente e desavergonhada investida contra os direitos destes profissionais, que vêem a sua formação especializada ser posta em causa pela falta de investimento no SNS e pela ausência de qualquer planeamento da formação médica.

O SMZS, como sempre fez ao longo da sua história, irá continuar a defender a formação especializada de todos os médicos a exercer no país, com vista à defesa da qualidade da medicina e da saúde de todos os cidadãos.

Convenção Nacional de Saúde

A Convenção Nacional de Saúde, com o alto patrocínio do Presidente da República, teve lugar nos dias 7 e 8 de junho, em Lisboa.

Contou com a participação de mais de 90 organizações ligadas à saúde. Contudo, os sindicatos foram deixados de fora, o que não contribui para a seriedade do debate, como foi sublinhado por Pedro Adão e Silva durante a própria Convenção e já denunciado pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Apesar da exclusão dos sindicatos deste debate, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) esteve atento ao que foi discutido durante a Convenção e tomou nota da «agenda para a dédaca», definida durante o debate, assente nas seguintes conclusões: 

  • o SNS centrado no cidadão,
  • o maior investimento na literacia em saúde e na medicina preventiva,
  • a aproximação gradual do orçamento à média da OCDE,
  • os orçamentos plurianuais e a lei de meios para a saúde,
  • o financiamento orientado para os resultados,
  • o maior investimento em investigação e tecnologia,
  • a gestão profissionalizada das instituições e envolvendo os profissionais de saúde,
  • a valorização das carreiras,
  • a complementaridade entre sistemas público, privado e social. 

O encerramento da Convenção esteve a cargo de Maria de Belém Roseira, presidente da Comissão de Revisão da Lei de Bases da Saúde. Lembramos que esta Comissão, que apresentou na 3.ª feira, 19 de junho, a sua primeira versão da Lei de Bases da Saúde, não integra nenhum médico.

O SMZS lamenta que a voz dos médicos, e dos seus sindicatos, seja excluída destes debates sobre a saúde em Portugal e da discussão sobre o futuro do Serviço Nacional de Saúde.

SCML
No passado dia 20 de Junho, o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS), juntamente com o Sindicato Independente dos Médicos (SIM), estabeleceu um Acordo Empresa com a Santa Casa da Misericórdia (SCML).
 
Este acordo permitiu o retorno às 35 horas de trabalho semanais, à semelhança das outras carreiras profissionais, prevê a existência de concursos, além de condições laborais mais protectoras.
 
A implementação deste acordo é um importante passo para a carreira médica, e subjacente formação no internato médico, um pilar fundamental para cuidados de saúde de qualidade aos nossos utentes.
 
O SMZS congratula a SCML e as equipas envolvidas, sendo exemplo de que quando existe seriedade negocial é possível chegar a bom porto.
 
Gostaríamos que o nosso Ministério da Saúde tomasse este modelo em consideração.
Reunião: Médicos sem especialidade, uma inevitabilidade?

Em 2015, iniciou-se em Portugal a criação de médicos sem especialidade.

Médicos que ficam excluídos da formação especializada, das carreiras, sem tutoria e sem solução além da precariedade e da emigração. Um desperdício total do investimento realizado na formação destes profissionais. Um problema em crescendo, que coloca em causa o SNS, a qualidade da cuidados prestados e a saúde de todos os cidadãos.

Haverá solução para este problema? Será uma inevitabilidade ou existe ainda a possibilidade de reverter a situação? Que entidades devem ser responsabilizadas e como? De que modo devem ser esclarecidos os utentes sobre esta grave situação?

No próximo dia 25 de junho, 2.ª feira, às 18h30, no Auditório Sá Marques, na sede do Sindicato dos Médicos da Zona Sul (Av. Almirante Reis, n.º 113, 4.º piso, Porta 401 - Lisboa), Vem debater o futuro. Participa!

Participam na sessão: Afonso Moreira, Estevão Santos e João Proença.